Capacete Elmo auxilia na recuperação de pacientes
O capacete Elmo, equipamento de respiração artificial não invasivo, tem contribuído para o tratamento de pacientes internados com quadro leve ou moderado de Covid-19. Os resultados clínicos realizados mostraram que o capacete pode reduzir em 60% a necessidade de intubação. O dispositivo reduz consideravelmente o desconforto respiratório, causado pela doença.

A grande sofisticação do capacete Elmo está na simplicidade, pois doenças, como pneumonia, também podem ser minimizadas pelo uso do equipamento. O Elmo é um mecanismo de respiração artificial não invasiva, por meio de uma cápsula de PVC e silicone com conexões, e com a grande vantagem do baixo custo, e ainda possui a possibilidade de ser reprocessado e reutilizado.

Acomodado ao pescoço do paciente, hermeticamente fechado por um colar macio, o Elmo permite suplementar oxigênio a uma pressão definida ao redor da face, sem necessidade de intubação e com total proteção aos profissionais de saúde. Dentro do capacete, é possível reduzir o CO² o que permite uma oxigenação pura.

O capacete Elmo foi pensado pelo Superintendente da Escola de Saúde Pública do Ceará (ESP/CE), Marcelo Alcântara. Uma força tarefa multidisciplinar foi montada para executar o projeto que envolveu o Governo do Estado do Ceará, por meio da Secretaria de Saúde (Sesa), ESP, a FUNCAP, FIEC, SENAI-CE, UFC e Unifor, com o apoio do Instituto de Saúde e Gestão Hospitalar (ISGH) e a empresa Esmaltec.